Marcelino Responde

Respostas às perguntas dos leitores de O Livro de Urântia

Merida – Imagem por David Mark

Queridos irmãos,

Por muitos anos, tenho respondido a perguntas relacionadas a O Livro de Urântia feitas por leitores de diferentes países. Recentemente tive a oportunidade de escrever este artigo, incluindo algumas dessas perguntas e respostas, pelas quais agradeço a nossa irmã Jeannie Vázquez do Uruguai que trabalhou na seleção e revisou esses conjuntos de perguntas e respostas. Agradeço também aos editores do Tidings por tornar possível a publicação deste artigo.

Pergunta 1: “Eu estava me lembrando de uma conversa que tivemos sobre o elo que faltava entre os macacos e os humanos. Pelo que me lembro, você me disse que, de acordo com O Livro de Urântia, não existe tal ligação. Você poderia me lembrar por que ele não existe? ”

Resposta: Os cientistas dizem que deveria haver um elo perdido entre o símio superior (gorila, chimpanzé, etc.) e os humanos. Mas em O Livro de Urântia somos ensinados:

Ainda que a evolução da vida vegetal em vida animal possa ser determinada, e embora hajam sido encontradas séries graduais de plantas e animais que progressivamente se desenvolveram dos mais simples aos mais complexos e avançados organismos, vós não sereis capazes de encontrar esses elos de ligação entre as grandes divisões do reino animal, nem entre o mais elevado dos tipos de animais préhumanos e o alvorecer dos homens das raças humanas. Esses chamados “elos perdidos” permanecerão para sempre perdidos, pela simples razão de nunca haverem existido. (669.3) 58:6.2

E, assim, pode ser prontamente percebido que o homem e o macaco estão vinculados apenas pelo fato de provirem dos mamíferos intermediários, de uma tribo na qual aconteceu o nascimento concomitante de dois pares de gêmeos com a sua subseqüente separação: o par inferior destinou-se a produzir os tipos modernos de macacos, babuínos, chipanzés e gorilas, enquanto o par superior ficou destinado a continuar a linha de ascensão, que evoluiu até o próprio homem. (706.3) 62:3.12

O homem moderno e os símios vieram da mesma tribo e espécie, mas não dos mesmos pais. Os ancestrais do homem descenderam da linhagem superior dos remanescentes selecionados dessa tribo de mamíferos intermediários, enquanto os símios modernos (excetuando certos tipos preexistentes de lêmures, gibões, macacos e outras criaturas do mesmo gênero) são descendentes do casal inferior desse grupo de mamíferos intermediários; uma dupla que sobreviveu apenas porque se escondeu, em um abrigo subterrâneo com estoque de alimentos, por mais de duas semanas, durante o último combate ferrenho da sua tribo, saindo apenas depois que as hostilidades haviam chegado completamente ao fim. (706.4) 62:3.13

As guerras dentro da raça pré-existente e ancestral dos mamíferos precursores do homem, nas quais os primeiros humanos nasceram, destruíram os membros superiores da tribo e, vários milhares de anos depois, nenhum foi deixado vivo.

Pergunta 2: “Você acha que todo o plano do Pai, e a jornada para” retornar “a ele, é, por assim dizer, a maneira de nos encorajar a suportar a eternidade?”

Resposta: O plano do Pai é “… compartilhar a consciência de toda a experiência de imperfeição de todas as criaturas que lutam …” [2: 2.6, 36.4] Embora seu plano inclua diversão, entretenimento e descanso, o Pai anseia por todos os seus filhos e as filhas usarem seu livre arbítrio para escolher fazer sua vontade divina e sobreviver na vida eterna, a carreira que nos levará a ele e ao infinito.

Viver eternamente não é obrigatório; todo ser humano escolhe livremente a vida eterna ou não existência. O plano divino estabelece a existência eterna para todos os filhos de Deus que voluntariamente o desejam; nunca somos compelidos contra nosso livre arbítrio.

Pergunta 3: “Deus Pai-Mãe cria Jesus (Michael de Nébadon) e o Espírito da Verdade, formando assim a Santíssima Trindade, e então Jesus e o Espírito da Verdade criaram diretamente os seres humanos? Acho difícil ler e compreender O Livro de Urântia. Eu agradeceria se você me desse um resumo deste assunto, em suas próprias palavras. ”

Resposta: O Pai Universal, o Filho Original e Eterno e o Espírito Infinito são as três personalidades divinas que constituem a Trindade do Paraíso; eles residem no Paraíso, que está localizado no centro de toda a criação.

O Pai Universal, em união com o Filho Original e Eterno, traz à existência os Filhos Criadores – a ordem de Michaels, e o Espírito Infinito cria pessoalmente as Filhas Criativas, os Espíritos Maternos. Cada Filho Criador se une a uma Filha Criativa correspondente e, juntos, eles deixam o Paraíso para criar um universo evolucionário local no tempo e no espaço. (Cada um dos sete superuniversos existentes contém no máximo cem mil universos locais.)

O Filho Criador e a Filha Criativa chegam ao seu espaço pré-preparado e, com a ajuda de muitos seres especializados, começam a criar as gloriosas esferas capitais de seu universo local. Através da técnica evolutiva, galáxias e planetas começam a emergir. Quando um planeta atinge as condições físicas exigidas, os Portadores da Vida chegam a esse planeta e preparam um plasma germinativo que eles implantam nas águas rasas dos mares interiores. Este plasma germinativo recebe a centelha vital de vida da Filha Criativa – esta é a origem das primeiras formas de vida planetária.

Após bilhões de anos de progresso evolutivo, os primeiros seres humanos emergem. Em nosso planeta, Urântia, isso aconteceu há cerca de um milhão de anos, e os primeiros humanos foram chamados de Andon e Fonta.

Há pouco mais de 2.000 anos, o Filho Criador de nosso universo local, Michael de Nebadon, encarnou em nosso planeta como um ser humano como nós. Ele nasceu de maneira natural como filho de José e Maria e veio a ser conhecido como Jesus de Nazaré. Jesus foi um exemplo extraordinário de amor; sua vida maravilhosa foi uma inspiração ao proclamar seu evangelho libertador, edificante e transformador. Seu consolador Espírito da Verdade foi derramado sobre todos os seres humanos no dia de Pentecostes após sua morte e ressurreição.

O plano divino de Deus e de seus Filhos e Filhas Criadores é que cada ser humano escolha a vida eterna. Para isso, somos dotados de um corpo físico, uma mente consciente e uma personalidade que nos dá autoconsciência e livre arbítrio e podemos escolher a vida sem fim que Deus nos oferece. Além disso, Deus nos ajuda com a ajuda de sua maravilhosa equipe celestial da seguinte maneira:

1. Ele nos deu uma centelha divina (ou fragmento) de si mesmo para habitar em nossas mentes. Isso é conhecido como Ajustador do Pensamento e, com nossa cooperação, nos orienta a transformar nossas tendências animais egocêntricas em valores espirituais altruístas, que sobrevivem depois que nossos corpos físicos morrem.

2. Nosso Filho Criador, Michael (Jesus) derramou seu Espírito da Verdade sobre toda a humanidade e quando seguimos a orientação divina, isso nos ajuda a aumentar nossa capacidade de perceber a verdade espiritual e escolher fazer a vontade de nosso Ajustador Pensamento interior – o dom divino do Pai Universal.

3. Nossa Divina Mãe (Filha Criativa), conhecida neste mundo como o Espírito Santo, torna possível que nossas mentes humanas sejam conectadas aos seus circuitos mentais que nos auxiliam em nosso progresso evolutivo.

Com toda essa ajuda maravilhosa que Deus nos dá, nossa existência não faz sentido se não decidirmos cooperar com ele e trabalhar para motivar nossos semelhantes a tomar a decisão suprema: escolher a vida eterna.

Pergunta 4: “Eu estava refletindo sobre a variedade de informações sobre a vida de Jesus. Acho estranho que, a partir de hoje, não tenhamos concordado com este evento maravilhoso. Por que você acha que existem versões tão diferentes do nascimento e da vida de Jesus? ”

Resposta: Considero que as várias visões sobre o nascimento e a vida do grande Mestre de Nazaré se devem às características extraordinárias e impressionantes do trabalho que realizou. No entanto, os reveladores do Livro de Urântia nos dizem claramente que José e Maria eram casados ​​e moravam em Nazaré, quando Jesus

… foi concebido e nasceu no mundo, assim como todos os outros bebês antes e depois … [119: 7.5, 1317.1]

Também lemos no Livro de Urântia:

O anúncio que Gabriel fez a Maria aconteceu no dia seguinte à concepção de Jesus e foi o único evento de ocorrência sobrenatural ligado a toda a experiência de Maria de conceber e trazer dentro de si o menino da promessa. (1347.2) 122:3.4

Muitos dos dizeres do Antigo Testamento foram deformados de modo a parecerem adequar-se a algum episódio da vida do Mestre na Terra. Jesus certa vez negou publicamente, ele próprio, qualquer ligação com a casa real de Davi. Até mesmo aquela passagem: “uma jovem dará à luz um filho” (1347.6) 122:4.4

Muitos escritos descrevem Jesus como puramente divino e outros como puramente humano. Os reveladores o descrevem como uma pessoa de dupla natureza, humana e divina. E eu acredito que esta é a verdade porque Michael de Nébadon precisava pessoalmente passar pela experiência das criaturas humanas que ele criou, através da encarnação na semelhança da carne mortal para que ele pudesse experimentar e demonstrar que ser criado imperfeito e de origem animal não é um obstáculo para alcançar máximo progresso espiritual quando há disposição e determinação para cooperar com Deus.

Pergunta 5: “Cada um dos sete mundos ao redor de Jerusém também tem sete satélites ao seu redor?”

Resposta: Isso mesmo. Sete mundos de transição cercam Jerusém e sete planetas sub-satélites cercam cada um desses mundos. Os sete mundos remanescentes são um desses sete grupos de sub-satélites e cercam o mundo de transição número um, que é chamado de Mundo do Finalitor.

Pergunta 6: “Li no Documento 130 do Livro de Urântia a história de Jonas, o que me deixou confuso porque a Bíblia menciona que Jonas esteve dentro de uma baleia por vários dias até ser expulso. Ainda assim, no Livro de Urântia, Jesus o relaciona com os deveres que devemos desempenhar durante nossas vidas. ”

Resposta: No livro de Jonas do Antigo Testamento, está expresso que Deus envia Jonas para pregar na cidade de Nínive, mas Jonas foge em um barco da presença de Deus, para evitar cumprir a ordem divina. Mas no Livro de Urântia, Jesus explica a Gadiah que o relato de Jonas está relacionado a … “procurar escapar do presente dever de viver fugindo para tentações longínquas.” [130: 1,2, 1428,2]

E sobre a referência bíblica ao “grande peixe” que engole Jonas, Jesus explica a Gadias:

(1428.2) 130:1.2 “A fuga ao dever é o sacrifício da verdade. Escapar ao serviço, à luz e à vida, só pode resultar nesses conflitos exaustivos, com as difíceis baleias do egoísmo, que levam finalmente à obscuridade e à morte, a menos que esses Jonas, que abandonaram a Deus, voltem os seus corações, ainda que estejam nas profundezas do desespero, à procura de Deus e sua bondade.”

Jesus percebeu que essa tradição influenciou muito a vida de Gadiah, incutindo nele a ideia de tentar fugir do dever. Portanto, o Mestre não disse nada que pudesse destruir de repente as motivações fundamentais que guiaram Gadiah em sua vida. Porém, em outro momento, quando Natanael perguntou a Jesus sobre a veracidade das Escrituras, o Mestre respondeu-lhe:

(1767.5) 159:4.3 “Essas escrituras são trabalho executado por homens; alguns deles santos, outros não o sendo totalmente. Os ensinamentos desses compêndios representam a visâo e a extensão do esclarecimento dos tempos, na época em que tiveram a sua origem. Como revelação da verdade, os últimos são mais confiáveis do que os primeiros. As escrituras são errôneas e de todo humanas, pela sua origem, mas não vos enganeis, elas constituem a melhor coleção de sabedoria religiosa e verdade espiritual a ser encontrada em todo o mundo, neste momento.”

(1767.6) 159:4.4 “Se a história de Jonas não for um fato, mesmo se Jonas não tiver vivido nunca, ainda assim a profunda verdade da narrativa, o amor de Deus por Nínive e os chamados pagãos, não seria menos preciosa, aos olhos de todos aqueles que amam os seus semelhantes. As escrituras são sagradas por apresentarem os pensamentos e atos de homens que estavam em busca de Deus e que, por meio desses escritos, deixaram registrados seus conceitos mais elevados de retidão, verdade e santidade. As escrituras contêm muito que é verdade, entretanto, à luz dos vossos ensinamentos atuais, podeis entender que esses escritos contêm também bastante coisa que apenas de um modo falso representa o Pai do céu, o Deus de amor que eu vim revelar a todos os mundos.”

(1768.1) 159:4.5 “Natanael, nunca te permita, sequer por um momento, acreditar nos registros daquelas escrituras que dizem que o Deus do amor comandou teus antepassados que prosseguissem na batalha até matar todos os inimigos — homens, mulheres e crianças. Alguns registros são palavras vindas de homens, e homens não muito santos, esses, pois, não são a palavra de Deus.”

(1768.2) 159:4.6 “Muitos buscadores honestos da verdade têm sido, e continuarão a ser, confundidos e desalentados por essas doutrinas da perfeição das escrituras.”

(1768.5) 159:4.9 “O medo da autoridade dos escritos sagrados, do passado, impede efetivamente que as almas honestas de hoje aceitem a nova luz do evangelho, a luz que os mesmos homens conhecedores de Deus, de outra geração, tão intensamente almejaram ver.”

Pergunta 7: “Como podemos resgatar a religião de Jesus de seu longo estágio embrionário? Tenho a ideia de que devemos pregar o evangelho de maneira organizada (não me refiro a igrejas, mas sim a trabalhar em equipe), visto que vejo que os leitores de Urântia investem muito tempo e recursos na formação de grupos de estudo e conferências. Mas só beneficia quem já conhece o livro, ou seja, nada se faz pelos milhões de pessoas que não conhecem a vida e os verdadeiros ensinamentos de Jesus. Como podemos resolver este problema? ”

Resposta: Alguns líderes urantianos pensam que a humanidade ainda não está preparada para receber esta revelação, que tudo deve ser conduzido com grande calma e paciência, e eles afirmam isso citando textos do Livro de Urântia, como a citação que se refere à impaciência de Adão e Eva. Em muitos aspectos, esses líderes estão certos, mas não concordo totalmente com essas opiniões porque há o grande perigo de que muitas atitudes de indiferença, preguiça e medo possam ser confundidas com supostas virtudes de paciência, serenidade e mansidão, o que contribui para impedir e atrasar todo o progresso planetário.

Concordo plenamente com sua abordagem, fazendo o possível para não cair na impaciência ou na imprudência. Nosso dever sagrado é empenhar todos os esforços para nos organizar e semear esta mensagem renovada e alegre de Jesus em cada pessoa ou grupo receptivo a esses ensinamentos que encontramos em nossa vida diária.

Essa preocupação que você tem, tem solução, pois é isso que faço pessoalmente há 24 anos: compartilhar tudo o que Deus me deu com aqueles que me permitem. E tentarei continuar fazendo isso pelo resto da minha vida, sempre inspirado por Jesus e pelos reveladores, que nos deram parágrafos estimulantes como estes:

Ao conquistar almas para o Mestre, não é a primeira légua, a da obrigação, do dever ou da convenção, que irá transformar o homem e o seu mundo, mas é mais a segunda légua, a de serviço livre, de devoção e amor à liberdade, a que representa o esforço semelhante ao de Jesus, para alcançar o irmão no amor e para colocá-lo sob a guia espiritual, na direção da meta divina mais elevada da existência mortal. O cristianismo, ainda hoje, percorre, com disposição, a primeira légua; mas a humanidade definha e tropeça nas trevas morais, porque há tão poucos homens fazendo a segunda légua — tão poucos seguidores professos de Jesus e que realmente vivem e amam, como ele ensinou os seus discípulos a viver, a amar e a servir. (2084.5) 195:10.5

O chamamento à aventura de edificar uma sociedade humana nova e transformada por meio do renascimento espiritual da irmandade, no Reino de Jesus, deveria comover e apaixonar a todos aqueles que crêem nele, de um modo como os homens não se comovem desde os dias em que eles perambulavam pela Terra como companheiros dele na carne. (2084.6) 195:10.6

As mulheres e os homens modernos, de inteligência, fogem da religião de Jesus, por causa do medo que têm do que ela fará a eles — e com eles. E todos esses medos são bem fundados. A religião de Jesus de fato domina e transforma os seus crentes, exigindo que os homens dediquem as suas vidas a buscar um conhecimento do que é a vontade do Pai no céu, exigindo que as energias da vida sejam consagradas ao serviço altruísta da irmandade dos homens. (2083.2) 195:9.6

Queridos irmãos, espero que este artigo possa ajudá-los a melhorar sua vida. Por favor, compartilhe com outros leitores, se puder. Desejo que Deus e sua grande equipe celestial continuem a abençoá-lo.

De Mérida, Venezuela, receba minha saudação fraterna em Jesus-Michael.

Marcelino Ramirez
[email protected]
Cel. + 58416-3700295